Você está aqui:Home » Deu na Mídia » Lei não supera os princípios do Direito do Trabalho, diz Souto Maior

Lei não supera os princípios do Direito do Trabalho, diz Souto Maior

“Os juízes, por dever funcional, continuarão aplicando o Direito e fundamentando juridicamente as suas decisões. E os “donos da bola” que arrumem outro jogo para brincar”, afirma magistrado em artigo

A Lei 13.467, que trata da “reforma” trabalhista e está prestes a entrar em vigor, “não tem dono”, afirma em artigo publicado em seu blog o juiz e professor Jorge Luiz Souto Maior. “Não supera os princípios, conceitos e institutos jurídicos do Direito do Trabalho. Não tem o poder de transformar os juízes em autômatos, desprovidos de consciência e sentimentos, ou de impedir que os juízes cumpram a sua função”, acrescenta, rechaçando as críticas feitas a magistrados que supostamente estariam ameaçando “não aplicar” a nova lei.
O que está acontecendo, observa Souto Maior, é simplesmente a análise e interpretação do texto sancionado, para “extração do sentido de seus mais de 200 dispositivos”. Assim, profissionais do Direito – “professores, doutrinadores, advogados, juízes e procuradores”, destaca – cumprem o seu papel institucional, manifestando suas impressões sobre a Lei 13.467, resultando em “uma enorme multiplicidade de posicionamentos”.
Ele cita a recente 2ª Jornada da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), que aprovou vários enunciados nos quais se interpreta os termos da nova lei em relação à legislação brasileira, regras constitucionais e declarações e tratados internacionais. Para verificar, inclusive, a eficácia da Lei 13.467 quanto aos objetivos anunciados por seus defensores: melhorar a oferta de emprego sem reduzir direitos.
“Se a lei era destinada a esses objetivos e se é precisamente isso o que estão fazendo, na quase totalidade, os entendimentos jurídicos sobre a lei, refletidos na 2ª Jornada da Anamatra, todo esse alarde midiático contra os juízes e a Justiça do Trabalho não teria a menor razão de ser”, observa Souto Maior.
Mas quem se posiciona contra a atuação dos juízes demonstra que a lei da “reforma” foi “feita por encomenda de um setor especifico da sociedade”, que se considera à vontade para exigir o descumprimento da Constituição. E confirma que o objetivo, na verdade, é “destruir direitos trabalhistas, aniquilar as possibilidades de organização, de resistência e de reivindicação da classe trabalhadora e dificultar ao máximo o acesso à Justiça do Trabalho”.
“Enfim, os juízes, por dever funcional, continuarão aplicando o Direito e fundamentando juridicamente as suas decisões e os ‘donos da bola’ que arrumem outro jogo para brincar, até porque, em respeito à sua própria fala, não poderão mais atuar à margem da lei, o que implica que deverão, enfim, respeitar a totalidade dos direitos trabalhistas e se submeter ao poder jurisdicional e à independência dos juízes, conforme constitucionalmente estabelecido”, conclui o magistrado.
Leia aqui a íntegra do artigo.
Fonte: Rede Brasil Atual